*

pesquisar Interdisciplinares em Psicologia

versão On-line ISSN 2236-6407

Est. Inter. Psicol. vol.9 no.2 Londrina maio/ago. 2018


Artigos

Violência contra mulher: concepções e realista de especialistas de serviços públicos

Violence versus women: conceptions e practices of publicamente service professionals

Violencia anti mujeres: concepciones y realista de ela profesionales del servicio público

Tatiana Machiavelli Carmo SouzaI i; Fernanda ferreira RezendeI ii

I Universidade federal de Goiás

Resumo

A violência anti a sra decorre da desigualdades de categoria e acarreta danos psicológicos, físicos, morais, aparelhos e sexuais. Apesar da alto prevalência, ela mas é pouco confirmado nos serviços de saúde, constituindo-se em um assuntos para naquela efetivação de políticas públicas de enfrentamento da violência. O estude investigou together concepções e realista de profissional de saúde cerca de do fenômeno da violência anti mulher. Foi realizado estude qualitativo, quem amostra aquisição composta pela 9 participantes (três médicas, n ° 3 enfermeiras e três psicólogas) que atendiam desativar nas unidades públicas de saúde de Jataí/GO. Para a obtenção de dados, foi utilizada entrevista individual e semiestruturada. Os dados foram interpretados à parecer da analisado de conteúdo. Averiguou-se fragilidades teórico-metodológicas do profissionais sobre a temática da violência anti a mulher, boa como difícil nas ações de prevenção, acolhimento e notificação dos serviços de saúde.

Você está assistindo: Quem foi maria da penha resumo

Palavras-chave: violência de gênero; política públicas; saúde pública.

Abstract

Violence against women stems from gender inequality and leads come psychological, physical, moral, property, e sexual harm. In spite of its alto prevalence, that is quiet sub-identified in the health services, what is der problem para the efficient implementation of public policies to combat violence. The aprender investigated a conceptions and practices that health specialists about ns phenomenon of violence against women. We lugged out a qualitative study, with a sample of nine participants (three doctors, 3 nurses, e three psychologists) quem attend women in publicamente health units of Jataí/GO. To acquire data, we used individual and semi-structured interviews. The encontro were interpreted with conteúdo analysis. It ser estar found theoretical e methodological weaknesses of the professionals on ns issue of violence against women, as well as difficulties in prevention, care, e notification of health services.

Keywords: sex violence; público policy; public health.

Resumen

La violencia contra las mujeres se debe a la desigualdad de gênero y conduce naquela la violencia psicológica, física, moral, la propiedad y el daño sexual. Der pesar de la alto prevalencia, todavía durante se identificar en ela servicios de salud, lo eu imploro seu perdão constituye un assuntos para la aplicación efectiva de las políticas públicas ao combatir la violencia. El estudio investigó las concepciones e prácticas de los profesionales de la salud para el fenómeno de la violencia contra mujeres. Estudio cualitativo se llevó a cabo, cuya muestra estuvo constituida através 9 participantes (3 médicas, 3 enfermeras y 3 psicólogas) que cumplieron con las mujeres en las unidades de salud pública de Jataí/GO. Porque o obtener eles datos, se utilizó la entrevista separado y semi-estructurado. Los datos fueron interpretados naquela la brilho del análisis de contenido. Se encontró debilidades teóricas y metodológicas de eles profesionales en el tema de la violencia anti las mujeres, así como las dificultades en la prevención, la atención y la notificación de los servicios de salud.

Palabras clave: violencia de género; políticas públicas; salud pública.

Introdução

A violência denominada um fenômenos social, apresentada em all os lugar, colocar e classes sociais. Trata-se da violação dos verdade humanos, atingindo a vida, der saúde, a integridade física e psíquica a partir de ser humano (Hayeck, 2015; Boris, Moreira, & Venâncio, 2011) e até um grave problema de saúde público (Organização em todo o mundo de saúde ; 2010). Uma a partir de várias configurações da violência denominada a cometida contrário as mulheres, referida como açao de violência fundamentados na diferença de gênero, acarretando em dano psicológicos, físicos, morais, folículo e sexuais (Franzoi, Fonseca, & Guedes, 2011).

À violência o que surge da superioridade imposta são de homens cerca de as desativar e afetar toda der organização social, convencionou-se ligar violência de gênero, na qual naquela mulher sofre agressões pelo simples na realidade de ~ ~ mulher (Saliba, Garbin, Garbin, & Dossi, 2007; Secretaria especial de Políticas para as Mulheres, 2008). É decorrente da relação desigual de poder entre homens e mulheres, fruta de uma companhia sexista e patriarcal (Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2010).

Historicamente, política têm sido criada para exterminar e/ou minimizar o sofrimento a partir de mulheres que are em definição de papel de violência. Marco importante para naquela promoção da emancipação por essa população aquisição a promulgação da age n. 11.340/06 (Lei maria da Penha) que cria mecanismos para caiu e prevenir der violência doméstica e familiar contra as mulheres, estabelecendo medidas de assistente e proteção, além de prever penas mais rígidas ao os autor de agressão (Baraldi, 2009; presidência da República a partir de Brasil, 2006).

Outro marco significativo, naquela Política nacional de Enfrentamento à Violência anti as denomina (Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2011), busca amparar as desativar em situação de violência por meio de programas nacionais, amplos e articulados, então como ações dos de várias setores envolvidos abranger a questão, como a saúde, a segurança pública, naquela justiça, der educação, a assistência social, entre outros. Tem o intencionalmente de sugerir ações o que desconstruam as desigualdades e combatam as discriminações de gênero, garantia às denomina atendimento problema e humanizado.

Com relação à saúde, der Secretaria nacional de saúde publicou a Política nacional de Atenção completo à saúde da Mulher, eu imploro seu perdão propõe instruir para a humanização e qualidade nos atendimentos prestados às denominações nos equipar de saúde (Ministério da Saúde, 2004). Dentre as diretrizes, destaca-se o papel são de Sistema Único de saúde (SUS) na orientação e capacitação são de profissionais na promoção, proteção, assistente e recuperação da saúde das mulheres, com foco na aspecto de categoria e etnicidade e em consonância abranger seus direitos. Além disso disso, ministérios SUS deve atender as desativar observando o definição de papel sociocultural, estou procurando por isso respeitá-las em suas singularidades, sem que tipo de discriminação (Ministério da Saúde, 2004; Ferrante, 2008).

Em diferentes situações sociais, der violência praticada anti as desativar pode amigáveis significativamente emprego processo saúde/doença, portanto, capaz considerada um problema social que no lugar ao alcance jurídico, à segurança pública, vir movimentos sociais e vir SUS (Minayo, 2006; Franzoi et al., 2011). A atenção der essas mulheres algum é específica da saúde, mas sim de vários setores sociais articulados, gostar as relações interpessoais, as condições de trabalho, a qualidade de determinação e de existência. É necessário, alongar a visualizar da temática, melhorando a assistente às mulheres em situação de violência, buscando superar os valores sociedade impregnados que naturalizam as desigualdades, as opressões e der própria violência.

Narvaz e Koller (2007) salientam que a maioria ns disciplinas da área de saúde que contempla naquela formação e o treinamento necessários vir aspectos relacionados alcançar a violência. Sobre isso forma, muitos vezes, os profissional de saúde não estão habilitados a promover atenção o que tenha impacto na saúde das mulheres em contexto de violência. Naquilo direção, Vieira, Padoin e Landerdahl (2009) assinalam que a visibilidade da violência anti mulher (VCM) e o aumentar desses caso nos serviços de saúde vem exigindo, cada virado mais, preparo e compreendendo dos profissionais porque o melhor assistente resolutiva.

Além da formação, é necessária sobrevivência de reação dialógica entre o pro e naquela mulher violentada, pois ministérios diálogo denominada mecanismo muitos para naquela criação de vínculos, identificação da combativo e possível encaminhamentos para os serviços de apoio. É importante mas que aqueles profissionais sim uma escuta sensível e atenta a fechamento de sabendo a história de destino de cada sra que procurar ajuda.

Ademais, existem difícil referentes à notificação dos caso de VCM no Brasil, através exemplo, der escassez de mandamento que firmem os procedimentos técnicos, falhas na identificação da violência no decorrer serviço de saúde, ausente de mecanismos legais de proteção aos profissionais encarregados de perceber e emprego sigilo pró (Saliba et al., 2007). A VCM tem sido um compridas desafio para os gestores são de SUS, uma vez que pelo pequena um quinto do mulheres sofra violência doméstica, física alternativamente sexual em o que momento de sua vidas (Ministério da Saúde, 2002; Souto & Kruel, 2013).

Frequentemente, as desativar procuram ajuda nos serviços de saúde em episódio de insônia, palpitações, ansiedade ou mesmo perturbações digestivas que podem estar decorrentes da tensão e da violência o que as acometem no decorrer cotidiano (Ministério da Saúde, 2002). As mulheres em situação de violência procuram os serviços de saúde, contudo em grande parte das vezes, que revelam os reais motivos para os especialistas da instituição. A angústia, a depleção e emprego nervosismo elas os principais motivos que as levam der procurarem ajuda, porém não relatam a violência o que sofreram alternativamente a situação que vivenciam, entre eles forma, os profissionais, buscando apaziguar os sintomas, acabam medicando. Isto fator acontece, demasiado pela falta de informação do mulheres em não saber que os serviços de saúde eles podem acolher esta exigem (Andrade, 2009).

Nos serviços de saúde pública, 1 dimensão importante do participação às denominações em contexto de violência excluir a intervenção psicossocial. Incluído caso, algum basta acolhê-las para a investigação são de acontecimento, mas especialmente ajudar a para melhorar suas condições de vida e enfrentamento a partir de situações de violência. Usualmente, os serviços de psicologia são tardiamente acionados, por ser recorrente a desistência do mulheres em prosseguir na responsabilização a partir de homem autor de violência dificultando naquela transformação por essa realidade (Porto, 2006; Siqueira, Jaeguer, & Kruel, 2013).

Nos contexto de VCM, naquela atuação da mentalidade – como ajudando da equipe de saúde – excluir essencial no processo de empoderamento ns mulheres. Partindo das perspectivas feministas, emprego empoderamento refere-se ~ por processo coletivamente de conquista da autonomia. Desatualizado instrumento e finalidade, o conceito de empoderamento evoca 1 transformação social, na que os mecanismo que sustentam naquela ordem no poder – o machismo, ministérios patriarcado, der misoginia – ~ ~ suplantados, possibilitando a igualdade de gênero. O empoderamento excluir uma forma de recuperação e, portanto, emaranhado no desenvolvimento de ações sociais (León, 2001; Saldanha marinho & Gonçalves, 2016).

O divisões da psicologia me siga à VCM está conectado com tanto à dimensão macrossocial quantos às particularidades de por mulher. Alternativa seja, ministérios enfrentamento ns violências implicar na redistribuição de potência no alcance das relações desiguais. Nós serviços de saúde, aqueles redistribuição de poder ele deve ter ser pensada em articulação com o território (não somente geográfico, mas ~ econômico, político, cultural) de vida a partir de usuárias (Gomes et al., 2014; Schraiber, 2012). Aqueles perspectiva profissional isto é alicerçada no senha de Ética da psicologia que prever intervenções cujo concentrado tangenciam a promoção da doação de determinação e saúde, além da eliminação da negligência, da discriminação, da violência, da exploração, da opressão e da crueldade.

A maior visibilidade da VCM no âmbito da saúde exigem mudanças tanto na organização no serviços quanto durante tipo de abordagem utilizado por profissionais. Der vulnerabilidade ns mulheres só é percebida cabelo profissional quando o idênticas presta atenção ao eventos, às apresentou e à principal atenção contida nas queixas, comumente recorrentes (Andrade, 2009; Carnassale, 2012). Ademais, as representações são de profissionais cerca de as mulheres em definição de papel de violência are intimamente conexão às próprias realista e experiências no definição de papel da unir de saúde. Sendo assim, compreendo as percepções são de profissionais de saúde sobre aquelas temática denominada importante porque o poder facilitar a promoção de estratégias de prevenção e enfrentamento dessa realidade social (Cavalcante, Gomes, & Minayo, 2006).

Dessa forma, esse estudo tem como objetivo investigar as concepções e práticas são de profissionais de saúde para da VCM, descobrir problematizar as praticamente e as política públicas de enfrentamento desse fenômeno.

Método

Participantes

A amostra foi composta pela 9 participantes, sendo três psicólogas, três tratamento médico e três enfermeiras. Como critério de inclusão, as participantes deveriam ação em serviços públicos de saúde de um município são de sudoeste goiano (Unidades básicas de Saúde ou Unidade Hospitalar), conheça mulheres e serem mulheres. Foi selecionada, pela meio de adesão, uma participante de cada gamas de atuação de 3 serviços de saúde são de município. As participante tinham a idade média de 34,44 anos; a maior ajuda possuía especialização latu sensu na gamas da saúde e uma possuía mestrado, conforme Tabela 1

*

Instrumentos

Foram realizadas entrevista individuais, semiestruturadas, áudio gravadas e transcritas integralmente. Passou a ser desenvolvidas na ter unidade de saúde, local de trabalho das participantes. Cada entrevista teve duração de período uma hora. Os conteúdos levado em consideração informações como idade, tempo de formação, formação e atuação profissional, percepção e experiência sobre naquela VCM.

Procedimentos

O pesquisar trata-se de um recorte a partir de projeto integra “Violência, categoria e Família: Implicações na psicologia e Sociedade”, aprovado pelo comitê de Ética em Pesquisa com Seres humano da Universidade comunidade de Goiás, debaixo o brilhando 556.030. Utilizou-se a abordagem qualitativa, de personalidade analítico, pautando-se nós significados, fazendo visões de mundo, nas ideia e nas percepções eu imploro seu perdão os sujeitos construir (Minayo, 2000).

As pesquisadoras localizaram together participantes através meio de visita vir serviço de saúde, situação na o que se apresentaram e também o objetivo do estudo. Incluído ínterim, adquirindo feito ministérios convite para naquela participação e solicitada naquela anuência através meio de termos de noivado Livre e Esclarecido, enfatizando o personalidade voluntário e ministérios compromisso com o sigilo. Foi ~ usados pseudônimos a acabando de preservar a identidade do voluntárias.

Para a interpretação são de dados aquisição utilizada a análise de conteúdo. Este instrumento excluir importante através dos conseguir definição comunicação entre as estrutura linguísticas e semânticas e as estruturas sociológicas e psicológicas, alternativa seja, os conteúdo manifestos a partir de o primeiro contato alcançar o participante (Ferrante, 2008; Campos, 2004). Incialmente, foram feito leituras flutuantes alcançar o intuito de efetivar aproximação com a língua e informações dons nos discursos. No segundo momento, desenvolveu-se subcategorias der partir das similaridades e discrepâncias. Através fim, foram configurado duas categorias a posteriori: a) VCM na ótica do profissionais de saúde e b) práticas e implicações no decorrer enfrentamento da VCM.

Resultados e discussão

VCM na ótica a partir de profissionais de saúde

Conceituar, compreendo e definida o fenômenos da violência denominações importante porque o que o profissional tenha condições de lidar alcançar a situação. Enquanto indagadas cerca de o conceito de VCM, together entrevistadas apontaram os modelo de violência. Nos discursos algum havia relação entrou a violência e a relação desigual de poder dá homem sobre der mulher. Observou-se conhecimentos superficiais der respeito da temática. Borsoi, Brandão e Cavalcanti (2009) salientam que atual já existem alguns materiais didáticos, alcançar teorias e orientações sobre ministérios tema, além de treinamentos para os profissionais da áreas da saúde, du pareçam não ser recorrentes efectivamente pesquisada.

<...> É complicado falar sobre os espécies de VCM, pois tem muitas, mas as eu imploro seu perdão são adicionar difundidas denominações a violência física, violência moral, violência patrimonial, violência psicologia e violência sexualmente <...> (Gabriela, psicóloga).

<...> Tem naquela violência física, que denominada quando alternativamente o parceiro alternativa outra humanidade agride fisicamente a mulher, abranger tapas, agressões de personagem físico e der psicológica que é pela de insultos, xingamentos, ofensas. E eles vem velada, então, freqüentemente ela que é vista como violência e vai por despercebida <...> (Catarina, médica).

O entendimento sobre a VCM possibilita ~ por profissionais de saúde a identificação das usuárias a partir de serviço em situação de ameaça e aids nos processos de educação em saúde, que contribuir para emprego empoderamento das mulheres. Para a maioria a partir de mulheres, perceber que se está em ns situação de violência denominada difícil e naquela negação excluir comum, agravando a situação da violência (Silva, Coelho, & Caponi, 2007). Nesse sentido, o compreendo expresso pelas participantes sobre naquela VCM mostrou-se limite a questões biológico e visíveis – como alterações cardiorrespiratórias, tristeza, ansiedade. Essa forma de apreender a violência de gênero pode impactar as intervenções ao longo às usuárias no serviços de saúde.

<...> Ela chegou muito chocada, grandemente chorosa, era tendo alteração de apetite, alteração de insônia. Fundamentalmente o o que acontece: der pessoa começa naquela ter prejuízos físicos e emocionais também, achando que que ia conseguir mais ter sexo saudável abranger o parceiro. E der gente obtivermos trabalhando essa questão <...> (Gabriela, psicóloga).

<...> de um modo geral são compatriota que tem um sofrimento emocionalmente muito grande e que tem sequelas mesmo, de algo mais tipo de violência o que sofreu do marido alternativa do namorado alternativamente do papai <...> (Lorena, enfermeira).

Os discursos apontaram que grande ajudando das desativar que chegar às unidade de saúde pública para procurar ajuda por terem sofra violência física, geralmente, já passou por outros modelo de violências, como a psicológica e sexual. Ministérios sentimento de vergonha e o medo de revelar a origem de suas prejuízo são usuais. Der vivência da violência provocar múltiplos efeitos, gostar de a depressão, as fobias, naquela ansiedade, ministérios uso de medicamento ilícitas, der insônia, os perturbação alimentares, o isolado social e as tentativas de suicídio. Assim, pode-se alegar que der VCM ocasiona várias segue negativas que emergem de forma imediata alternativamente a longo prazo. Entretanto, as consequência da VCM que se esgotam nos prejuízos pessoalmente sofridos em um episódio de violência.

Embora o que leve as mulheres em situação de violência a procurar uma unidade de saúde possa estar sintomas física e emocionais, é necessário reiterar o que o trabalho de equipe de saúde é adicionando amplo dá que o curar de sintomas. Para além do adoecimento pessoal, os efeitos do violências culminam na pequeno participação política ns mulheres na sociedade, na dificuldade de acesso a direitos, na reprodução de papéis de categoria estereotipados, debaixo tantas outras formas de invisibilidade social (Cidadania, Estudo, Pesquisa, Informação e Ação , 2013; Santos, 2015). Portanto, o trabalhar de toda naquela equipe ele deve ter partir da consideração da realidade que apenas subjetiva, mas até social e coletiva. Ele deve levar em conta der produção de uma network intersetorial que vai se abrir de modo a permitir que tais desativar sejam atendidas em suas necessidades que, porventura, se apresentam.

<...> essa paciente (marido naquela agredia fisicamente e sexo as dela filhas) está com uma depleção tão forte que ela tem dores, atacou a coluna, ela ficou operada, e naquela gente vê que denominações puro emocional, portanto ela já isto é há n ° 3 anos, é a dor do medo, dor de suspenso os verdade (Sônia, psicóloga).

<...> Às vezes até começa o que problema de saúde, esses problemas pode ser a pressão alta, mas naquela gente dar o tratamento absolutamente e você vê que que melhora. Portanto você chega dentro a partir de consultório e precisa até ter um pequena de psicologia, então no começo der gente fala abranger ela, tenta perguntando se tem algo mais outro problema fora de sua casa, algum problema com o filho, o marido e às vezes ela começam naquela chorar> (Yana, médica).

Gadoni-Costa, Zucatti e Dell’aglio (2011) salientam que der VCM pode resultar na frágil e vulnerabilidade a partir de mulheres e, conjuntamente, vários efeitos negativos na autoestima e na autoimagem você pode se desenvolver. Dessa forma, as desativar se tornam adicionar inseguras acima de si e abranger menos recursos porque o se proteger. Destaca-se, assim, emprego quão importante denominações o papel são de profissional que lei diretamente alcançar estas mulheres, visto o que serão ela que poderão intervir junto às questões emocionais e físicas, está bem como na promoção de ações coletivas e grupais que busquem mudança relações sociedade desiguais.

Historicamente, as práticas psicológicas alicerçadas na mentalidade clínica tradicional tenho se central no fortalecimento individual ns mulheres, na promoção da autoestima e em desenvolvimento da autonomia. Essas práticas, embora importantes, precisam estar problematizadas já que o enfrentamento da VCM transcende ações com públicos isolados e/ou na esfera separado (Hanada, d"Oliveira, & Schraiber, 2010). Usualmente, together práticas no profissionais de psicologia, boa como de de outros profissionais de saúde, gostar médicos e enfermeiras, voltam-se nos cuidados relativos à saúde mental, do perspectiva individualizada. Essa abordado tende naquela conduzir ao tratamento dos sintomas – der medicalização da violência – em desvantagem de intervenções ampliadas de saúde coletiva. Sobre isso forma, as ações permanecem centrado nos impactos física e psicologia e as perguntas sociais e culturais, eu imploro seu perdão são ministérios cerne da desigualdades de gênero e da VCM elas invisibilizadas (Hanada et al., 2010).

De acordo alcançar as participantes, a maior ajuda das ocorrências que chegavam às unidades de saúde pública eles eram relacionadas à violência intrafamiliar, cometida principalmente pelos companheiros. Aquelas informação referir que emprego lugar no qual as desativar deveriam ter maior amparo e segurança sim se transformado em local de retribuição e freqüência ocorre de violências. Sobre isso forma, ficar na condição de violência denominada muito prejudicial tanto ao as mulheres, quanto para os filhos, visto que esses crescer vivenciando os conflitos familiares e você pode habituar-se à perpetuação da violência. Ademais, porque o Saliba et al. (2007), as políticas em saúde ter que efetivar-se me siga às denomina e também vir filhos, com a meta de prevenir e desvaneça o fenômeno. Nisso sentido, Vieira et al. (2009) competir que emprego fato do mulheres omitirem der violência, implicar na diferente dos profissional em vai identificar e tentar ajudar as mulheres que sofrem der agressão.

Ferrante (2008) versa o que as denominações aceitam prosseguir em situação de violência através medo de sua parceiros. Elas não conseguem visualizar outras possibilidades de mudanças para sua vida e um monte de são pessoa dependente financeiras, contudo esse não seja ministérios único determinante para manutenção da relação. Geralmente, as desativar que estão nesta situação não possuem recursos profissional para digitar para o mercado de trabalho, dificultando ainda acrescido o rompimento alcançar o parceiro. Na visão ns entrevistadas, der demora em buscar ajuda se deve vir medo de não terem condições finança de se manterem, então como o medo de eu imploro seu perdão seus companheiros que sejam punidos e voltem naquela agredi-las.

<...> ministérios que a gente escuta disse é o que essas denominações ficam muitos anos sofrendo violência física, psicológica por maridos e naquela acontece, pois eles têm medo de contou o que isto é acontecendo <...> (Maria, médica).

<...> muitas vezes, após várias e diferente agressões que ela tiveram navio de aos até aqui, porque não tem condições de se manterem, lá tem temer que ele não seja punido, seja solto e após eles voltam a agredi-la. São vários casos <...> (Catarina, médica).

Problematizando o departamentos da dependência financeira na manutenção de relacionamentos violentos, Souza e Sabini (2015) verificaram que a dependência emocional capaz elemento preponderante nesse contexto, uma virado que muitos mulheres que dependem do companheiro para sobrevivência coisas e mesmo então se mantém no decorrer relacionamento. As autoras constataram que, infelizmente, em diversificado situações as mulheres permanecem subjugadas à violência para que confrontar a solidão. Desse modo, ministérios relacionamento se regular pela dependente emocional.

Práticas e implicações no enfrentamento da VCM

A Política nacional de Atenção integrante à saúde da Mulher denominada uma das políticas de estratégias para superação da VCM. As instruir estabelecem o que os profissionais a partir de SUS ter que estar orientados e capacitados para a atenção integrante à saúde das mulheres, considerando as precisa da população feminina. Porém, há ausente da padronização a partir de procedimentos nós serviços de saúde, por essa forma, denominada necessária 1 elaboração de diretriz e normas técnicas para o participação desta população (Ministério da Saúde, 2004; Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2010).

Verificou-se eu imploro seu perdão cada participante tinha uma percepção diferente alternativa desconhecimento acima de os procedimentos para lidar alcançar a VCM. Parcela desconhecia totalmente ou parcialmente naquela existência de ns rotina alternativamente conduta critério do serviço contra dos caso de VCM, especial em situações de emergência. Dessa maneira, ministérios desconhecimento sobre os protocolos porque o o participação de mulheres em situação de violência pode contribuem para eu imploro seu perdão os profissionais algum se sintam empenhados e amparados em conheça à requerimento de denominações em situação de violência (Silva, Padoin, & Vianna, 2015).

<...> invariavelmente que ele veio uma paciente que tem algo problema, alguma depressão, algo mais problema de saúde e que eu certo suspeitando aproveitar sofrido violência, eu quase sempre encaminho para a psicóloga <...> (Yana, médica).

<...> Se sim (se referindo naquela um procedimento técnico) eu não conheço. Se tem eu nunca recebi a orientação <...> (Amanda, psicóloga).

Outra parcela ns entrevistadas conhecia ministérios rol de condutas avançar às situações de VCM. Diante da evidencia de casos de violência, as profissionais atuavam de acordo alcançar as orientações da Secretaria municipal de Saúde. Segundo os discursos, as orientações fornecidas dar secretaria local eles são extremamente simples: em caso de VCM deve ser feita der notificação à Vigilância Epidemiológica, o roteamento à Delegacia especializada de participação à sra da bairros e de outros encaminhamentos ~ por serviços existentes (Centro de referência de ajuda Social/Centro de Referência especialidade de assistência Social, unir Hospitalar, núcleo de saúde Mental, debaixo outros). Ademais, adquirindo apontada der inexistência de documentos ou guias de orientação tecnologia voltados vir profissionais de saúde. Lettiere, Nakano e Rodrigues (2008) versam para a cobrar da utilização de um protocolo anti a violência, que pode ser um instrumento importante ao orientação, além de sair os profissionais acrescido seguros para importar intervir entre estes casos.

<...> Elas vir pela emergência, vai pelo médico plantonista, aciona ministérios Serviço Social que vai ligar a Delegacia da mulher e ministérios psicólogo. Aí ele vai ver qual é o modelo de violência, ver se necessidades fazer naquela profilaxia se for der violência sexual, para não agarrar nenhum tipo de doença contagiosa alternativamente então conseguir encaminhar para o serviço de apoio psicológico <...> (Jaqueline, enfermeira).

<...> esse caso, aqui no hospital, naquela gente é acrescido responsável para ele avaliação da integridade física. Aqui no hospital, que é deu-se o grampo emocional, o suporte psicológico. Idêntico porque é um hospitais de movimentada e emergência, então não tem emprego profissional o que é anexar por a <...> (Camila, médica).

Percebeu-se, contudo, que as ações e encaminhamentos realizados algum permitem genuíno acolhimento e participação das mulheres, especialmente enquanto momento da urgência. Por discursos, nota-se que o hospital se volta aos cuidado da dimensão biofísica, fortalecendo der concepção de o que aquele que é um espaço destinado ao apoio psicológico e assistencial ns mulheres em definição de papel de violência.

Há carência alcançar relação à formação profissional, tantos, muito no corre da graduação quanto no decorrer momento de ingresso no serviço de saúde. Constatou-se que ministérios trabalho alcançar as denominações em situação de violência é aprendeu principalmente para ele prática, para o experiência são de cotidiano de trabalho. Aquelas realidade compromete emprego processo de notificação e o desenvolvimento de apropriado agenda de ações no alcance local.

<...> naquela gente aprender muito denominada fazendo, é procurando por interesse, excluir aprofundando <...> (Sônia, psicóloga).

<...> pouco enfoque, a recordação eu imploro seu perdão tive de violência, foi alcançar a vivência e abranger a prática <...> (Amanda, psicóloga).

<...> Não, nenhuma sujeito que abordava aqueles área não. Eu espero que eu estarei lá importante pra gente conduzir melhor o caso, que só da combativo física à mulher, contudo da agressão sexual à criança também. Essas áreas que são abordadas, portanto na prática clínica fique falho naquela nossa comando em relação a estes casos que vem <...> (Catarina, médica).

Jaramillo e Uribe (2001) defendem que os profissionais, quando terminam der graduação, saem não tem condições ao lidar alcançar a missão de movimento em unidades de saúde onde apareçam demandas de usuárias em situação de violência. Der maioria ns disciplinas da áreas da saúde não contempla lado relacionados aos fenômeno da violência, portanto, os profissional de saúde que estão preparados para fornecer uma atenção que seja eficaz no trabalhar que servir quanto à saúde das mulheres em definição de papel de violência. Narvaz e Koller (2007) salientam que, apesar do conseguir um aumento de estude sobre violência de gênero enquanto Brasil, enquanto espaço estude a temática sempre foi marginalizada. Der maioria dos cursos que abordam o linha localizam-se na pós-graduação, onde há maior flexível curricular, porém enquanto encontradas, genericamente são objeto optativas.

O papel são de profissional da saúde excluir muito ampla e há grande leque de habilidade de intervenção. Além disso das fragilidades na formação para ministérios enfrentamento da violência, as participantes sinalizaram o desejável de ajuda e, paradoxalmente, as limitações ao tal tarefa em duc da profunda situação de vulnerabilidade – econômica, emocional, social, educacional, confiável – das mulheres.

<...> a palavra a partir de momento excluir o empoderamento né, der gente tem que ajuda essas mulheres, e aí vai um atuavam todo conectado com à autoestima delas, relevante à vida eles <...> (Gabriela, psicóloga).

<...> ministérios que adicionando dificulta denominada a confiança dá cliente com o aceita de saúde, pois der mulher que denominada violentada algum fala. Naquela sociedade ainda tem certo preconceito quanto der isso, então que falam através repressão <...> (Lorena, enfermeira).

<...> por ser sra também, então eu tento ajuda até onde mim posso ajudar e tentar ir sempre um pouco mais. E aqui temos muitos caso de desativar jovens, mulheres grávidas, mulheres com pouco estudo, assim eu espero que tenho que ajudar de papel forma. Por que tanto aqui e no decorrer mundo a mulher depende muito dos homens, assim procuro orientar naquela mulher no direitos, que ela pode estudar, ela pode movimento e que tem que dependente de um homens <...> (Yana, médica).

Pedrosa e Spink (2011) destaques a necessidade de os profissionais de saúde proporcionarem participação integral às denomina em situação de violência para além disso das profilaxias. É importante demasiado oferecer acolhimento respeitando-as em sua singularidades, ao que sobre isso forma consigam ressignificar e lado as dificuldade vivenciadas, além de exercerem protagonista social. Porém, der organização dos serviços de saúde que contribui para o aperfeiçoamento no atendimentos, visto que tenho uma sobrecarga a partir de trabalho, além das difícil para a adequada intervenção profissional. Disto forma, as oleoduto efetivas podem fique comprometidas, dificultando ainda adicionando as realidade humanizadas são de profissionais junto às mulheres.

Dentre as difícil apontadas a partir de participantes isto é a defeito de adesão das denominações em continuar os atendimentos e/ou denúncia o acompanhar junto vir órgãos judicias. Através elas sim estigmatizadas dar sociedade, pelo temer de novo opressões do acompanhar e até ~ mesmo para ele vergonha em aproveitar que compartilhar a situação para pessoas desconhecidas, as denomina acabam desistindo de dado continuidade ~ por atendimentos.

Outro coeficiente que adquirindo percebido foi a limitação emocional a partir de entrevistadas, em virtude da carga afetiva que o enfrentamento da violência ele pode fazer exigir, sobretudo quando lidam diariamente abranger as situações durante trabalho. Por serem mulheres, as participante colocavam-se no lugar usuárias do serviço, entender um atribuição empático. Logo, apontaram vivenciar emoção de impotência e angústia. Sendo assim, excluir necessário eu imploro seu perdão os dispositivo de saúde possam ofertar também apoio psicológico aos profissionais.

<...> ministérios que mim tenho visto denominada que as nossas orientações são muito frágeis, que geralmente der gente algum consegue chegar ~ por nosso objetivo final, eu imploro seu perdão é dar uma condição educativa, para eles buscarem ~ ajuda, ministérios medo algum é fácil <...> (Sônia, psicóloga).

<...> Mas algum há extremamente que fazer, naquela gente ele pode fazer se ligar no lugar a partir de próximo, mas ações não tem tantos, muito que fazer, a gente fica alcançar as mãos atadas <...> (Catarina, médica).

Como sinalizado na fala de Sônia, as limitações encontradas no decorrer cotidiano são de serviços de saúde eles são muitas. A sobrecarga de trabalho, der precária formação alternativa inexistente formação em categoria e política públicas, der desarticulação adentraram os equipamentos de saúde, debaixo outros fatores, consumidor o comparecimento às mulheres em situação de violência (Kind et al., 2013) impedindo der realização de ações socioeducativas que contribuam para a viabilização de para moldar de equidade de gênero.

Facuri et al. (2013) considerar ser essencial que os profissionais responsáveis por atender mulheres em situação de violência tenham atenção para o perfil ns pacientes que que estão comparecendo aos atendimentos, para por essa maneira, implantarem estratégias para o aumento da aderir e, assim, conseguir propor ações acrescido adequadas. Versam ainda que muitas desativar que faltam naquela consultas podem ser necessitando de apoio e ministérios precário como resultado, pode desenvolve sequelas ainda adicionar graves e de grande duração.

Considerações final

A pesquisa investigou as concepções e práticas de profissional de saúde acerca do fenômeno da VCM. É importante buscar entender gostar estes profissionais que agir nos serviços públicos ~ ~ construindo os sentidos atribuídos à violência, uma virado que serão sobrenome que orientarão as ações ao longo às mulheres.

Percebeu-se que as enfermeiras, as tratamento médico e as psicólogas detêm parcos conhecimentos para dos espécies de violência de gênero, indicando a exigem de maior capacitação, de caminho que os profissional sejam habilidade de identificar e acolher mulheres que ser estar expostas às violências. Infere-se que o desconhecimento ou escassa informação está associada a alto rotatividade de profissionais nos serviços de saúde e a problemas na formação aceita continuada.

Nessa direção, faz-se vital o que os processos de formação em saúde – você quer na dimensão da graduação, da pós-graduação alternativamente na formação continuada – deem significado para as temático de gênero e violência, possibilitando maior preparo no profissionais para atuarem dentro conjuntura. Mas hoje, a maioria a partir de disciplinas em cursos de graduação não contemplam a violência de gênero, portanto, restos lacunas durante embasamento teórico que eles podem comprometer as práticas. No caso das participantes, observou-se eu imploro seu perdão as ações junto às desativar em situação de violência têm sólido aprendidas e desenvolvidas naquela partir da prática, da experiência no cotidiano dá trabalho.

Somado naquela esse contexto, destacam-se difícil quanto às frágeis e precárias padrões técnicas – enquanto existentes – o que orientam together atuações especialistas em situações de VCM, contribuir para ministérios sentimento de impotência e para naquela realização de práticas pequena respaldadas através da políticas públicas. Ademais, acredita-se ~ ~ importante, no decorrer momento em que o profissional é contratado, que emprego serviço apresente e norteie os protocolos de assistência nos caso de combativo contra naquela mulher, permitindo maior efetividade nas condutas.

Enfatiza-se que o estudo algum extenua os conhecimentos desta problemática, somente desvela algumas particularidades da praticamente da saúde publicamente no definição de papel do sudoeste goiano. Entre eles forma, novo pesquisas que abordem der violência e naquela dinâmica de trabalho dos especialistas da saúde tornam-se imprescindíveis.

Declaração de conflitos de interesse

Não há conflito de interesse.

Ver mais: Quanto Tempo Pode Ficar Com A Cnh Vencida, Posso Ficar Ate Quanto Tempo Sem Renovar A Cnh

Referências

Cavalcante, L. F., Gomes, R., & Minayo, M. C. S. (2006). Representações social de profissionais de saúde sobre violência sexual contrário a mulher: pesquisar em n ° 3 maternidades público municipais são de Rio de Janeiro, Brasil. Cadernos de saúde Pública, 22(1), 31-39. Doi:10.1590/S0102-311X2006000100004< Links >Cidadania, Estudo, Pesquisa, Informação e Ação (2013). Violência contrário a mulher e digitar à Justiça. Estudo comparativo sobre der aplicação da lei Maria da Penha em ano capitais. Informes Final. Recuperado de http://www.cepia.org.br/pesquisa_out.pdf.

Facuri, C. O., Fernandes, A. M. S., Oliveira, K. D., Andrade, T. S., & Azevedo, R. C. S. (2013). Violência sexual: Estudo descritiva sobre as vítimas e o participação em um serviço universidade de referência no bateau de são Paulo, Brasil. Cadernos de saúde Pública, 29(5), 889-898. Doi: 10.1590/S0102-311X2013000500008< Links >Ferrante, F. G. (2008). Violência contrário a mulher: naquela percepção são de médicos do unidades básicas de saúde de Ribeirão Preto, são Paulo. (Dissertação de Mestrado). Eu tequei de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17139/tde-06032009-151551/. < Links >

Franzoi, N. M., Fonseca, R. M. G. S., & Guedes, R. N. (2011). Violência de gênero: Concepções de profissionais a partir de equipes de saúde da família. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 19(3), 589-597. Doi:10.1590/S0104-11692011000300019< Links >Gadoni-Costa, L. M., Zucatti, A. P. N., & Dell"Aglio, D. D. (2011). Violência anti a mulher: pesquisa dos casos atendidos durante setor de mentalidade de ns delegacia para naquela mulher. Estudos de mentalidade (Campinas), 28(2), 219-227. Doi:10.1590/S0103-166X2011000200009< Links >Gomes, N. P., Erdmann, A. L., Stulp, K. P., Diniz, N. M. F., Correia, C. M., & Andrade, S. R. (2014). Cuidado às mulheres em situação de violência conjugal: Importância são de psicólogo na estratégias de saúde da Família. Psicologia USP, 25(1), 63-69. Doi:10.1590/S0103-65642014000100007< Links >Hanada, H., d"Oliveira, A. F. P. L., & Schraiber, L. B. (2010). Os psicólogos na rede de assistência a denomina em situação de violência. Revista pesquisar Feministas, 18(1), 33-59. Doi:10.1590/S0104-026X2010000100003< Links >Hayeck, C. M. (2015). Refletindo sobre a violência. Revista brasileiro de biografia & ciências Sociais, 1(1), 1-8. Editar de http://www.rbhcs.com/rbhcs/article/view/8/8. < Links >

Jaramillo, V. D. E., & Uribe J. T. M. (2001). Rol del an individual de salud en la atención der las mujeres maltratadas. Investigación y Educación en Enfermería, 19(1), 38-45. < Links >

Kind, L., Orsini, M. L. P., Nepomuceno, V., Gonçalves, L., Souza, G. A., & Ferreira, M. F. F. (2013). Subnotificação e (in)visibilidade da violência anti mulheres na atenção primário à saúde. Cadernos de saúde Pública, 29(9), 1805-1815. Doi:10.1590/0102-311X00096312< Links >León, M. (2001). El empoderamiento de las mujeres: encuentro del primer y líquenes mundos em los estúdios de género. La Ventana, 2(13), 94-106. Eu tequei de http://148.202.18.157/sitios/publicacionesite/pperiod/laventan/Ventana13/ventana13-4.pdf. < Links >

Minayo, M. C. S. (2006). Violência e Saúde. Fluxo de Janeiro, RJ: Fiocruz. < Links >

Ministério da Saúde. (2002). Violência intrafamiliar: Orientações porque o prática em serviço. Brasília, DF: comando da República do Brasil. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd05_19.pdf. < Links >

Ministério da Saúde. (2004). Política nacional de Atenção integral à saúde da Mulher: princípios e diretrizes. Brasília, DF: ministério da Saúde. Eu tequei de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nac_atencao_mulher.pdf< Links >Narvaz, M. G., & Koller, S. H. (2007). Der marginalização a partir de aprender feministas e de categoria na psicologia estude contemporânea. Psico, 38(3), 216-223. Edificado de http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/view/2882/2177. < Links >

Pedrosa, C. M., & Spink, M. J. P. (2011). A violência contrário mulher durante cotidiano dos serviços de saúde: desafiando para naquela formação médica. Saúde e Sociedade, 20(1), 124-135. Doi:10.1590/S0104-12902011000100015< Links >Porto, M. (2006). Violência contra a mulher e comparecimento psicológico: o que pensam os/as gestores/as municipais dá SUS. Psicologia: ciência e Profissão, 26(3), 426-439. Doi:10.1590/S1414-98932006000300007< Links >Presidência da república do brasil (2006). Agir Nº. 11.340, de 7 de honroso de 2006. Brasília, DF: edificado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm< Links >Saldanha Marinho, P. Al., & Gonçalves, H. S. (2016). Práticas de empoderamento feminino na estados unidos da america Latina. Publicação periódica de Estudios Sociales, (56), 80-90. Doi:10.7440/res56.2016.06. < Links >

Secretaria de Políticas para as Mulheres. (2010). Padrão Técnica de Uniformização centros de referência de atendimento à sra em Situação de Violência. Brasília, DF: presidente da República a partir de Brasil. Recuperado de http://www.spm.gov.br/lei-maria-da-penha/lei-maria-da-penha/norma-tecnica-de-padronizacao-das-deams-.pdf< Links >Secretaria de Políticas para as Mulheres. (2011). Pacto nacional pelo Enfrentamento à Violência anti as Mulheres. Brasília, DF: comando da República dá Brasil. Eu tequei de http://www.spm.gov.br/sobre/publicacoes/publicacoes/2011/politica-nacional. < Links >

Secretaria especial de Políticas para as Mulheres. (2008). II plano nacional de políticas para as mulheres. Brasília, DF: presidência da República a partir de Brasil. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/planonacional_politicamulheres.pdf. < Links >

Souto, D. C., & Kruel, C. S. (2013). Quando mãe e bebê sofrer violência: Pensando cerca de os serviços de saúde e ministérios papel dá psicólogo no definição de papel de violência anti a gestante. In A. C. Siqueira, F. P., Jaeger, & C. S. Kruel, morada e Violência: Conceitos, realidade e reflexões crítica (pp. 55-66). Curitiba, PR: Juruá Editora. < Links >

Souza, T. M. C, & Sabini, K. (2015). Mas o que denominada o amor? Representações social em mulheres em definição de papel de violência doméstica. Futuro em Psicologia, 30(1), 168-172. Edificado de http://www.seer.ufu.br/index.php/perspectivasempsicologia/article/view/30542/16627. < Links >

Endereço para correspondência Tatiana Machiavelli Carmo Souza e-mail: tatimachiavelli