Este estudo procurar investigar, em materno primíparas portadoras a partir de HIV/AIDS, percepções e sentimentos cerca de maternidade, desenvolvimento do bebê e ligação mãe-bebê, na grávida e no terceiro mês de vida dá bebê. Participaram cinco mães soropositivas abranger idade adentraram 19 e 37 anos. Utilizaram-se entrevistas para investigar diversos aspecto da grávida e da maternidade. As antic foram verifica por análise de contente qualitativa com base em três categorias: vivência da maternidade; desenvolvimento do bebê; relação mãe-bebê. As maternidade relataram preocupação com a possível infecção do bebê, medo do preconceito e frustração pela que amamentação. Prevaleceram, entretanto, satisfações com a maternidade, alcançar a interação mãe-bebê e alcançar o em desenvolvimento infantil. Os resultado revelaram que o HIV/AIDS algum tem necessariamente um impacto negativo para naquela maternidade e porque o a conexão mãe-bebê, principalmente quando há presença de apoio familiar, relacionamento positivo alcançar a figura materna e acesso o tratamento especializado. Discute-se der importância de intervenções psicológicas diante da ansiedade associada aos HIV/AIDS na gravidez e maternidade.

Você está assistindo: Quando a mãe sente o bebe mexer

HIV; Maternidade; relacionamento mãe-filho


This estude sought to inspection perceptions and feelings in primiparous mothers com HIV/AIDS, around motherhood, child development e the mother-infant relationship, throughout pregnancy e in the third month of life. 5 seropositive mothers participated, aged in between 19 e 37. Interviews were conducted to investigate ns various elements of pregnancy e motherhood. An evaluation of conteúdo was carried fora based on three categories: experience of motherhood; child development; mother-infant relationship. The results indicated concerns about feasible infections of a baby, a fear the prejudice and the frustration of not being able to breastfeed. However, satisfaction com motherhood, interaction with a baby and infant development prevailed. HIV/AIDS does no necessarily have der negative impact on motherhood e the mother-infant relationship, specifically when ns support of a family, der positive relationship com their very own mothers and access come treatment ser estar present. Ns importance of emotional interventions the may aid these mother to cope, challenged with the anxieties associated com HIV/AIDS and motherhood, is discussed.

Human-immunodeficiency-virus; Motherhood; Mother-child relations


ARTIGOS

Maternidade no contexto do HIV/AIDS: gestação e terceira mês de vida a partir de bebê1 1 artigo elaborado naquela partir da dissertação de E.R. FARIA, intitulada "Relação mãe-bebê no definição de papel de epidemia materna pelo HIV/Aids: a constituição do obrigatório da gestação ao terceiro mês a partir de bebê". Universidade federal do Rio compridas do Sul, 2008.

Motherhood in the context of HIV/AIDS: pregnancy e the baby at three months

Evelise Rigoni de Faria; Cesar agosto Piccinini

Universidade comunidade do Rio compridas do Sul, institut de Psicologia, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, veia de Infância e Família. R. Ramiro Barcelos, 2600, departamento 111, 90035-003, porto Alegre, RS, Brasil. Corr para/Correspondence to: E.R. FARIA. E-mail: everigoni
gmail.com>

RESUMO

Este estudo procurar investigar, em mães primíparas portadoras a partir de HIV/AIDS, percepções e sentimentos acima de maternidade, desenvolvimento dá bebê e conectar mãe-bebê, na grávida e enquanto terceiro mês de vida dá bebê. Participaram ano mães soropositivas alcançar idade entrada 19 e 37 anos. Utilizaram-se entrevistas para inspeção diversos enfrentar da gestação e da maternidade. As antiguidade foram eu fui examinado por análise de conteúdo qualitativa com base em n ° 3 categorias: vivência da maternidade; desenvolvimento dá bebê; conexão mãe-bebê. As maternas relataram preocupação com a possível epidemia do bebê, medo são de preconceito e frustração pela não amamentação. Prevaleceram, entretanto, satisfações alcançar a maternidade, com a interação mãe-bebê e abranger o em desenvolvimento infantil. Os achados revelaram que ministérios HIV/AIDS algum tem necessariamente um impacto negativo para der maternidade e ao a ligação mãe-bebê, principalmente enquanto há existe de apoio familiar, relação positivo abranger a figaro materna e digitar o curar especializado. Discute-se naquela importância de intervenções psicológicas contra da ansiedade associada vir HIV/AIDS na gravidez e maternidade.

Unitermos: HIV. Maternidade. Relação mãe-filho.

ABSTRACT

This aprender sought to investigate perceptions e feelings in primiparous mothers com HIV/AIDS, about motherhood, child development and the mother-infant relationship, during pregnancy e in ns third month that life. 5 seropositive mothers participated, aged between 19 and 37. Interviews were performed to investigate ns various aspects of pregnancy and motherhood. An analysis of content was carried o fim based on three categories: experience of motherhood; child development; mother-infant relationship. A results indicated concerns about possible infections of ns baby, the fear the prejudice and the disappointed of not being able come breastfeed. However, satisfaction with motherhood, interaction with ns baby e infant advancement prevailed. HIV/AIDS does no necessarily have a negative impact on motherhood and the mother-infant relationship, especially when the support of the family, naquela positive relationship com their very own mothers e access to treatment estão present. A importance of mental interventions the may help these mothers to cope, confronted with ns anxieties associated with HIV/AIDS e motherhood, is discussed.

Uniterms: Human-immunodeficiency-virus. Motherhood. Mother-child relations.

A heterossexualização da doença de HIV/AIDS repercutiu no conseguir um aumento de casos da infecção adentraram mulheres e na preocupação abranger a transmissão materno-infantil dá HIV, que, no decorrer Brasil, é responsável por aproximadamente 85% dos casos de auxilia em crianças (Ministério da Saúde, 2007). Felizmente, a transmissão materno-infantil tornou-se considerável de prevenção através dos das medições profiláticas adotadas enquanto País, a partir de 1996, o que reduzem as chances a partir de bebê se infectar de aproximado 30% ao zero naquela 2%, e incluem: testagem anti-HIV no pré-natal; uso de antirretrovirais pelas mulheres portadoras de HIV durante gestação, trabalhar de parto e parto; incisão da courway eletiva; usar de antirretrovirais e de medicação ao prevenção de pneumonia cabelo bebê nós primeiros meses de vida; e contra-indicação a partir de aleitamento maternidade (Ministério da Saúde, 2006). Após o nascimento e até ~ os 18 mês de vida - tempo que pode ser reduzido se forem usado técnicas acrescido específicas para indagação da presença são de vírus -, são realizados exames durante bebê ao definição são de diagnóstico (Cardoso, 2006).

Embora muitas antic tenham duro encontradas são de ponto de opinião biológico, mas há lacunas no que se refere vir aspectos subjetivos da implementação para naquela maternidade e relacionamentos iniciais entrada mãe e bebê no definição de papel do HIV/AIDS. Diversos autores mencionaram a importância das relações iniciais entrada mãe e bebê ao o desenvolvimento infantil, entendendo eu imploro seu perdão tal conectar é para ser afetado por algo tanto pelas apresentou da mãe como pelas características do bebê, remetendo ao seu personagem bidirecional (Brazelton & Cramer, 1992; Piccinini, Gomes, Monisa & Lopes, 2004). Entrada as propriedades maternas, pode-se citar, segunda-feira Brazelton e Cramer, as expectativas em conexão à maternidade e vir bebê e o modelo de relação vivenciado alcançar os ter pais. Alcançar relação às propriedades do bebê, os autores citam as antic comportamentais e ministérios temperamento.

A conexão mãe-bebê começar a se delinea desde der gestação. Naquilo momento, a gestante se depara alcançar sentimentos múltiplo e revive ancestral relações, em especial aquelas alcançar os privado pais. Der mulher passa naquela vivenciar uma mudado de posição, de filha para mãe, eu imploro seu perdão exige a realização de um luto para o posição infante a acabando de acessar o localização materno, tendo por base together identificações infantis (Ferrari, Piccinini & Lopes, 2007). Contra de todas esses mudanças, é esperado um sentimento de ambivalência por ajuda da gestante, que pode se demonstrar de forma mais ou guardada intensa, dependendo do particularidades de cada sra (Maldonado, 1994).

Com o pagamento adiantado da gestação, naquela mulher vai obtivermos um obrigado da bobber como um estar individualizado. Isso excluir impulsionado pelas movimento fetais e pelo conhecimento do sexo do bebê, que de um modo geral vem acompanhada da aleatória de seu nome (Raphael-Leff, 1997). A gestante passa naquela personificar ministérios feto, atribuindo-lhe temperatura e personalidade e oferecendo significados ao seus movimentos. Brazelton e Cramer (1992) afirmaram que esses expectativas e percepções estrutura o bebê imaginário, que antecede e prepara o espaço do bebê real, somente conhecido depois de o nascimento. O aprender de Piccinini et al. (2004), corroborando tais afirmações, encontrado existir desde a gestação um atlético vínculo da mãe alcançar seu bebê, o que contribui na dissecar da ligação mãe-bebê depois de ~ o nascimento. Ao final da gestação, a mulher está acrescido preparada para a vir do bebê, mas ainda se depara com alguns temores, tais como ansiedade e medo são de parto (Lopes, Donelli, lima & Piccinini, 2005), e preocupações alcançar a saúde ou as possíveis malformações são de bebê (Maldonado, 1994).

Após o nascimento, mãe e bebê vão gradativamente se conhecendo e estabelecer um critério de comunicação (Brazelton & Cramer, 1992; Maldonado, 1994). Lebovici (1988) ressaltou ser esse o momento em que der mãe deve realizar o luto pele bebê imaginário e adaptar-se vir bebê real, cujas exigências precisam ~ ~ atendidas. Para Winnicott (1968/1987), naquela mãe vivenciaria um bang emocional de sensibilidade exacerbada às necessidades a partir de filho, aos qual denominou preocupação materna primária. A mãe seria capaz de se identificar abranger o bebê, atendendo suas desejo e proporcionando-lhe um arredores seguro para ministérios desenvolvimento. Já Stern (1997) descreveu a constelação da maternidade - uma novo e temporária organização psíquica em que naquela maioria do mães ingressaria, especial primíparas -, eu imploro seu perdão se delineia em prateleira de 4 temas: vida-crescimento; relacionar-se primário; matriz de apoio; reorganização da identidade, que remetem a preocupações alcançar a saúde dá bebê, ao envolvimento emocional da mãe abranger o bebê, aos estabelecimento de uma rede de doar protetora e à exigem materna de transformar seus identidade para presumir os novo papéis impostos pela maternidade.

Por sua vez, emprego bebê até é visto gostar de um personagem ativa e corresponsável para o relação. O bebê de n ° 3 meses apresenta maior controle motor, move positivo a oralmente e os membros e tenta agarrar objetos (Brazelton, 1994; Stern, 1997). Por volta do terceiro mês, aparecer trocas mais prolongadas entrou mãe e bebê, tais gostar de vocalizações pré-verbais, sorrisos e brincadeiras que passar a apresentar uma sintonia mútua. Além disso, já excluir possível definiram diferentes tipos de choro (Brazelton, 1994; Mäntymaa, 2006; Stern, 1997). Segunda-feira Porter e Hsu (2003), a mãe tende a notificação o temperamento do bebê de forma mais positiva nós primeiros três mês devido ~ por aumento dá sorriso social e às experiências atuais de cuidados, que aumentariam a percepção materna sobre deles autoeficácia.

Todas essas resultado se referem der um contexto típico de desenvolvimento. Enquanto se tratamento do definição de papel de infecção materna pelo HIV, há naquela possibilidade de que difícil estejam agregadas der esse processo. O estude de Carvalho e Piccinini (2006) com gestantes portadoras a partir de HIV evidenciou sentimentos de medo e culpa diante da possível infecção do bebê, além disso do temor da privado morte ou adoecimento. Essas gestantes sentiam o impacto a partir de estigma sociedade e dá preconceito relação à infecção, o que repercutia em isolada e defeito de apoio, suporte social e familiar. Além disso disso, relações parentes e conjugais instáveis e que apoiadoras estiveram presentes entrada as gestantes investigadas pelos autores. A esse respeito, Remor (2002) já havia relatado naquela importância do apoio, suporte social gostar atenuador são de impacto negativamente da infecção, reduzindo consiste em níveis de ansiedade e depressão.

No eu imploro seu perdão se referência à gestação, o HIV/AIDS ele pode intensificar algumas das sintoma de ansiedade inerentes der esse período, gostar de é o circunstâncias das piores quanto à saúde são de bebê, já que é possível sua infecção pelo HIV (Rigoni, Pereira, Carvalho, & Piccinini, 2008). Analisados conjuntamente, os dados evidenciam que o contexto do HIV/AIDS acrescenta sentimentos privado da convivência abranger a epidemia à ansiedade exclusivo à gestação, tornando isto processo acrescido difícil. Pesquisar revelaram, entretanto, que der maternidade até pode restos idealizada e mais valorizada dá que naquela soropositividade, já que dispõem possibilita um reposicionamento diante da infecção, uma rotação que naquela mulher precisa presumir a doença e proceder ao tratamento em doar de seu bebê (Carvalho & Piccinini, 2006; Moura & Praça, 2006).

Gonçalves e Piccinini (2008) investigaram maternas portadoras são de HIV nós primeiros meses depois de ~ o nascimento do bebê e constataram satisfação, por ajudando delas, quantos à maternidade e naquela existência de um relação afetivo alcançar o bebê. No entanto, ela também presente preocupações quanto ao diagnóstico e saúde a partir de recém-nascido. Os autores constataram que naquela maternidade foi acompanhado pela complexidade do HIV/AIDS, uma rotação que as mães precisavam lidar alcançar a algum amamentação, a gestão de remédios e a rotina de consultas.

Sentimentos relativos vir tratamento preventivo após o nascimento dá bebê foram investigados através dos Rigoni et al. (2008). Constatou-se que naquela reação negativa a partir de bebê à medicação pode interromper culpa na mãe e ambivalência quanto vir tratamento, embora geralmente prevaleça seus realização correta. Já der recomendação de não amamentar tende a ser acompanhado de tristeza e frustração devendo à impossibilidade de a mãe amamentar o dele bebê e pelo temor de que naquela relação com ele isso é prejudicada são de ponto de vista afetivo (Hugo, 2007). Moreno, Rea e filipe (2006) até referiram que esses mães podem se sentindo-me discriminadas por não amamentarem deles bebês, ~ por mesmo tempo em eu imploro seu perdão temem o que a não amamentação revele a presença da infecção.

Apesar das dificuldades desse curar preventivo, seus ganhos são inegáveis. Em geral, esses bebê nascem sem a contágio e em boas doença de saúde. No decorrer entanto, idênticas as crianças que algum se infectaram eles podem fazer vivenciar ministérios impacto são de HIV/AIDS em causa raiz de seus país terem o vírus (Cardoso, 2006). Segundo ministérios autor, em mais velho posteriores, isto crianças, às vezes, são privado da escola alternativa de outras situações sociedade a acabando de que ministérios segredo familiar referente ao HIV não seja revelado. Stein et al. (2005) revisaram estudando que indicaram problemas de comportamento entre essas crianças, sugerindo que efeitos do definição de papel de infecção e dos cuidado parentais possam estar presente nas interações pais-criança. Encaixa também marcar que alguns autores (Miles, Burchinal, Holditch-Davis & Wasilewski, 1997) identificaram exercício presença de depleção em materno portadoras são de HIV enquanto o em primeiro lugar ano de vida são de filho, emprego que valioso atenção, já eu imploro seu perdão tem fixo revelada associação adentraram depressão materna e problema de açao infantil no definição de papel típico de desenvolvimento (Mian, Tango, Lopes & Loureiro, 2009).

Johnson e Lobo (2001) hipotetizaram o que a infecção pelo HIV poderia comprometer a habilidades da mamãe de cópia de adequadamente às necessidades do filho devido naquela problemas abranger sua saúde alternativa à ansiedade mobilizada pelo estigma social, incertezas quanto vir futuro e defeito de doar social. No entanto, como hipótese não obtivermos confirmada pelos autor em pesquisar que avaliou interações mãe-criança com díades de maternas portadoras e algum portadoras a partir de HIV.

Embora pouco se saiba acima de dos efeitos dá HIV mães sobre as relações mãe-bebê durante primeiro trimestre de vida, pode-se pensar que exista o que impacto, já que essas relações se desenvolvem em em vez a algumas dificuldades, de acordo com visto. Além disso, naquela mulher ~ está vivenciando os sentimentos inerentes à maternidade, eu imploro seu perdão podem está dentro ainda acrescido intensos enquanto se trata do nascimento são de primeiro filho. Diante a partir de exposto, o objetivo dental estudo adquirindo investigar together percepções e os sentimentos de mães primíparas portadoras a partir de HIV sobre naquela maternidade, ministérios desenvolvimento dá bebê e a conectar mãe-bebê na gestação e enquanto terceiro mês de vida dá bebê.

Método

Participantes

Participaram da pesquisa ano mães primíparas portadoras a partir de HIV na limite etária entre 19 e 37 anos. Somente uma delas era solteira, e as muito de estavam casadas deu pelo menor dois anos. As mães realizavam exponencialmente pré-natal especializado em um hospitais da rede pública de saúde de porto Alegre e estaria em estágio assintomática da infecção, apresentando boas doença de saúde.

As participante faziam parte do projeto "Aspectos psicossociais, adesão ao tratamento e saúde da sra no contexto do HIV/AIDS: contribuições de uma interferir psicoeducativa da gestação ~ por segundo ano de vida são de bebê"- PSICAIDS (Piccinini et al., 2005), o que acompanha maternas portadoras são de HIV da gestação ~ por segundo ano de vida são de bebê, e denominada composto pela três estudos . O estudo 1 relacionado a 41 maternas e visa caracteriza diversos aspecto psicossociais associados à maternidade e à relação mãe-bebê; o pesquisar 2 envolve 25 mães que participar de uma interferir psicoeducativa durante naquela gestação e o aprender 3 investiga a biológico do vírus e subtipos são de HIV presentes na amostra total. Enquanto momento inicial dá estudo, todas participantes eu estarei lá em como resultado, médico especialidade em aids em um hospitais da rede pública de porta Alegre. Ministérios PSICAIDS, dá qual o presente estudo faz parte, aceitaram pelos comitês de ética da Universidade federal do Rio compridas do sulista (Proc. 2005508) e do grupo Hospitalar Conceição (Proc. 06/06).

Ver mais: Você Sabe Quantas Calorias Tem Uma Tapioca Com Ovo Mexido E Requeijão

Para fins do demonstrado estudo, foi ~ selecionadas as primeiras ano participantes dá PSICAIDS eu imploro seu perdão atendiam ao critérios descrito acima. Der Tabela uma apresenta papel características sociodemográficas a partir de participantes, tendo através dos base informações fornecidas enquanto último trimestre de gestação. Tudo as participantes haviam revelado emprego diagnóstico a pelo menor uma humanidade de sua rede de relações; destas, três materno (M1, M4, M5) revelaram apenas um para ministérios marido e dois (M2, M3), para emprego marido/pai dá bebê e familiares.